Apoios à Compra de Bicicletas - RégiaBike

Ir para o conteúdo
MENU
Apoios e Incentivos à Compra de Bicicletas  

Face aos desafios ambientais com que nos deparamos, a bicicleta tem vindo a reconquistar um lugar primordial enquanto meio de transporte. E o estado português acaba de atualizar os incentivos à compra de bicicletas. Saiba tudo aqui.
As bicicletas têm vindo a ser cada vez mais uma opção de mobilidade. Seja das convencionais ou das elétricas, para praticar desporto ou para se deslocar para o trabalho. O uso de bicicletas traz benefícios para a saúde e para o meio ambiente. Além disso, existem também apoios financeiros oferecidos pelo Estado.

Bicicletas convencionais ou elétricas?

As bicicletas podem ser divididas em duas categorias: as convencionais e as elétricas. As bicicletas convencionais são as mais comuns. Já as elétricas têm a adição de um motor elétrico e bateria para assistência.

Tal como no caso das bicicletas convencionais, também dentro das elétricas há vários tipos: urbanas, de estrada ou de montanha. A escolha do modelo indicado depende, apenas, do tipo de ciclismo que quer praticar: seja para um principiante, para quem se quer deslocar para o trabalho sem fazer muito esforço, ou até para os aventureiros dos trilhos e montanhas, há opções para todos.

Quanto aos preços, também há soluções para todas as carteiras. Estes variam bastante entre modelo e marca, consoante a autonomia e os níveis de assistência, bem como outros fatores. As urbanas são tendencialmente as mais baratas, podendo custar entre 370 e 5.000€. Para quem quer explorar a montanha ou fazer BTT, os valores mais baixos andam à volta dos 1.000€.

Outra variante das bicicletas são as bicicletas de carga, elétricas ou convencionais, que têm o objetivo de carregar várias pessoas ou cargas. Este tipo de bicicletas podem ser utilizadas como serviço de transporte de mercadorias, podendo substituir até um quarto dos serviços. A capacidade de carga e a gama de preços também variam bastante, existindo bicicletas de carga mais pequenas e leves, com preços entre os 1.000 e os 2.000€, que conseguem transportar facilmente 80kg a 100kg, e de carga pesada, capazes de transportar até 350kg, com preços de compra entre 2.000 e 12.000€.

Porquê optar por bicicletas

Além dos benefícios fiscais, o uso de bicicletas é importante para ajudar a combater as alterações climáticas. Em Portugal, só o setor dos transportes é responsável por cerca de 25% das emissões de gases com efeito de estufa e o objetivo, a médio prazo, é reduzir drasticamente esse valor.

Mas não são só os benefícios para o ambiente que tornam as bicicletas um meio de transporte a ter em conta. De acordo com o Programa Ambiental das Nações Unidas, as bicicletas são uma forma de promover a equidade entre residentes urbanos, facilitando a coesão social e aumentando a qualidade de vida. Este meio de transporte traz, também, vantagens para a carteira, já que se evita os custos relacionados com estacionamento e combustível, e para a nossa saúde: o uso de bicicleta está associado a uma redução do risco de diabetes, cancro e obesidade.

Apoios e incentivos à compra de bicicletas

Atualmente, apenas 0,5% da população portuguesa se desloca de bicicleta. O objetivo, até 2030, é elevar esse número até à média da União Europeia: 7,5%.

Por isso, no âmbito do apoio à Introdução no Consumo de Veículos de Baixas Emissões, o Fundo Ambiental volta a atribuir incentivos à compra de veículos elétricos

Pela primeira vez, este apoio vai incluir meios de transporte como skates, patins, hoverboards e monowheel. Para estes veículos, o orçamento disponível este ano é de 525 mil euros, num total de 1.050 cheques. A comparticipação, nestes casos, é de 50% do valor, até um teto máximo de 500€.

Bicicletas de carga

Sejam elétricas ou convencionais, para estes veículos o Estado vai disponibilizar 450 mil euros (mais 150 mil euros do que no ano passado), comparticipando em 50%, até 1.000€, as convencionais (em 2021 o valor máximo era 500€), e até 1.500€ as elétricas (mais 500€ do que no ano anterior). Tal como na categoria anterior, também nas bicicletas de carga os particulares poderão apresentar apenas uma candidatura e as empresas quatro.

Bicicletas elétricas de uso citadino/urbano
Para este tipo de bicicletas o Governo decidiu conceder um apoio substancial em 2022: 2.275 milhões de euros. O Estado irá atribuir um incentivo no valor de 50% do valor de compra, até um máximo de 500€ (mais 150€ do que em 2021), num total de 4.550 apoios
Bicicletas convencionais

Bicicletas convencionais de uso citadino/urbano

O apoio mantém-se tal como em 2021: o Estado comparticipa com 20% do valor da compra, até um máximo de 100€. O que muda é a verba total disponível. Em 2022 passa a ser de 150 mil euros (mais 100 mil euros do que no ano passado), o que se traduz num total de 1.500 apoios.

A outra boa notícia é que todos estes incentivos podem ser acumulados com os apoios municipais, como, por exemplo, o que a Câmara de Lisboa oferece.

Para beneficiar dos apoios só precisa de se registar no Fundo Ambiental e submeter a candidatura em https://www.fundoambiental.pt/veiculos-de-emissoes-nulas.aspx.

Os incentivos são válidos para empresas e particulares. No entanto, um cidadão particular poderá apresentar apenas uma candidatura e as empresas beneficiarão de um máximo de quatro apoios, que podem ser pedidos em conjunto, numa candidatura única, ou em quatro candidaturas separadas. O prazo termina no dia 30 de novembro de 2022.

RégiaBike
Rua 62, nº 762
4500-361 Espinho
tel: 969 709 509
regiabike@gmail.com
Voltar para o conteúdo